Paróquia Nossa
Senhora Aparecida

R. Parque D. Luis, 273 – São Paulo, SP | Tel: (11) 2979-9270 | E-mail: secretaria@nsaparecidajsp.com.br

Notícias Gerais › 22/10/2014

Somos povo unido em Jesus, não pessoas que se arranjam sozinhas

francis  Somos um povo unido em Jesus, não pessoas que se arranjam sozinhas – esta a principal mensagem do Papa Francisco em Santa Marta na terça-feira dia 21 de outubro. Na sua reflexão o Santo Padre procura fundir os ensinamentos das duas leituras do dia: Carta de S. Paulo aos Efésios capítulo 2 e Evangelho de S. Lucas no seu capítulo 12. E a primeira ideia fundamental que nos deixa o Papa Francisco é que nós sem Cristo não temos identidade. Aquilo que veio fazer Jesus connosco é dar-nos cidadania, pertença a um povo, nome e apelido. E assim Jesus junta-nos com o seu sangue abatendo o muro da separação que divide – afirmou o Papa Francisco:

“Todos nós sabemos que quando não estamos em paz com as pessoas, há um muro que nos divide. Mas Jesus oferece-nos o seu serviço de abate deste muro para que nos possamos encontrar. E se estamos divididos não somos amigos: somos inimigos. E fez mais para reconciliar todos em Deus: Reconciliou-nos com Deus: de inimigos a amigos; de estranhos a filhos.”

De gente de estrada que nem sequer convidados eram a familiares de Deus foi isto que Jesus fez com a sua vinda – afirmou o Papa que declarou ainda que só há uma condição: Esperar Jesus:

“Esperar Jesus. Quem não espera Jesus, fecha a porta a Jesus, não o deixa fazer esta obra de paz, de comunidade, de cidadania, mais: de nome. Dá-nos um nome. Faz-nos filhos de Deus. Esta é a atitude de esperar Jesus, que está dentro da esperança cristã. O cristão é um homem ou uma mulher de esperança.”

“ O cristão é um homem ou uma mulher que sabe esperar Jesus e por isto é um homem ou uma mulher de esperança. Ao contrário, o pagão – e tantas vezes nós cristãos comportamo-nos como pagãos – o pagão esquece-se de Jesus, pensa em si próprio, nas suas coisas, não espera Jesus. O egoísta pagão faz como se fosse um deus: eu arranjo-me sozinho. E isto acaba mal, acaba sem nome, sem proximidade, sem cidadania.” 

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *