Paróquia Nossa
Senhora Aparecida

R. Parque D. Luis, 273 – São Paulo, SP | Tel: (11) 2979-9270 | E-mail: secretaria@nsaparecidajsp.com.br

› 01/11/2012

Uma preocupação de momento

Estimados paroquianos e amigos!
Tenho acompanhado com angústia a onda de ataques a policiais aqui no estado de São Paulo. Creio que a preocupação não é só minha, mas também de todos os paulistas e paulistanos, afinal, é nossa própria segurança que está em jogo.
Segundo informações, mais de 80 policiais já foram mortos neste ano. O que dá um aumento de 43% em relação ao ano passado (segundo informações da Folha de São Paulo). Ao que parece, existe uma verdadeira guerra entre a polícia e o crime organizado, embora o senhor governador assim não o veja.
A minha preocupação de momento é que percebo policiais acuados e com medo de saírem de casa para seus trabalhos diários. Pensando bem, eles têm certa razão, pois sem segurança fica difícil exercer sua função, principalmente porque têm seus familiares que, por sua vez, ficam desprotegidos.
Tenho mantido contato com alguns comandantes, capitães e outras pessoas diretamente ligadas à polícia e todos são unânimes em dizer que, de fato, falta tranquilidade para o trabalho em vista de tudo isso que vem acontecendo.
As facções criminosas aparentemente estão distribuídas em diferentes setores do estado e de maneira bem organizada, o que dificulta a ação da polícia. Certamente o que motiva esses e outros atentados é a rixa que existe e sempre existiu entre policiais e criminosos.
Bom seria se o governador do estado agisse de forma rápida para impedir coisas piores. E uma solução, ou talvez uma tentativa, seria pedir ajuda, como o fez o governador do estado do Rio, quando solicitou apoio do exército.
Nessa hora é preciso deixar o orgulho de lado e assumir a deficiência cada vez mais clara no setor de segurança pública. Sabemos que a violência é geral no país. E mesmo no Rio, com tanto policiamento e unidades pacificadas, ela ainda continua a todo vapor, porém, ao somar forças, torna-se mais fácil amenizar e até solucionar o problema.
Enquanto isso não acontece, façamos como a Igreja nos ensina: Rezemos por todas as pessoas de bem para que suas vidas sejam preservadas. E pelas pessoas do mal, peçamos a conversão imediata para fazerem parte do Reino de Deus.
Com a bênção e o carinho do Padre Toninho
Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *