Paróquia Nossa
Senhora Aparecida

R. Parque D. Luis, 273 – São Paulo, SP | Tel: (11) 2979-9270 | E-mail: secretaria@nsaparecidajsp.com.br

Artigos e reflexões › 10/07/2015

(Breve ensaio sobre sete advertências do papa Francisco) – parte 3 de 4 textos

ppc

Quarta advertência: Não deixemos que nos roubem a comunidade

O que é a comunidade?

“É uma fraternidade mística”:

– que ajuda a vivenciar a grandeza sagrada da convivência;

– que ajuda a abrir o coração ao amor divino com o intuito de procurar a felicidade dos outros;

– que sabe ser sal da terra e luz do mundo;

– que busca uma pertença evangelizadora (cf. Evangelii Gaudium n. 92).

– É lugar no qual exercemos da melhor maneira o amar o próximo como a nós mesmos;

– é lugar em que temos possibilidade de ensinar e aprender;

– é lugar privilegiado para perdoar e sermos perdoados;

– é lugar de praticar com muita humildade e esforço a grande virtude da paciência para atingir maior grau de crescimento espiritual.

Quem são os ladrões e as ladras da comunidade?

– O individualismo que se recusa a dividir, compartilhar;

– o mundanismo que busca a glória humana e o bem-estar pessoal. Um mundanismo que “não traz o selo de Jesus Cristo, encarnado, crucificado e ressuscitado, mas a marca dos que não saem à procura dos que andam perdidos nem das multidões sedentas de Cristo” (Evangelii Gaudium n. 95);

– a corrida na busca da vanglória e de poder.

 Senhor, esperamos, desejamos que as comunidades religiosas, as comunidades paroquiais sejam de fato fraternidades e sororidades místicas. Não somos concorrentes entre nós. Estamos todos correndo atrás de Jesus Cristo, procurando o interesse do maior número de pessoas, a fim de que sejam salvas (1 Cor 10,33). Ajuda-nos, Senhor, a alcançar nossa meta. Associamo-nos ao apóstolo Paulo que reconheceu sua fraqueza e depositou sua plena confiança no Senhor. “Lanço-me em direção à meta, em vista do prêmio do alto, que Deus nos chama a receber em Jesus Cristo” (Fl 3,14).  

 Quinta advertência: Não deixemos que nos roubem o Evangelho

“A alegria do Evangelho é tal que nada e ninguém no-la poderá tirar”, diz o papa com base em João (16,22; Evangelii Gaudium n. 84). Evangelho não é exposição de uma doutrina, mas a vida de uma pessoa. Vida de uma pessoa especial, salvadora, divina, encarnada. A pessoa de Jesus Cristo.

É possível que uma enxurrada de mundanismos nos leve embora o Evangelho. Isso pode acontecer quando “negamos a nossa história de Igreja, que é gloriosa por ser história de sacrifícios, de esperança, de luta diária, de vida gasta no serviço, de constância no trabalho fadigoso” (Evangelii Gaudium  n. 96). Já com todo o esforço de que somos capazes, temos dificuldade de manifestar a beleza do Evangelho. Imagine-se como ficarão as coisas se houver concordância com as ondas do mundanismo (cf. n. 195).

O Evangelho “é a alegria de um Pai que não quer que se perca nenhum dos seus pequeninos” (Evangelii Gaudium n. 237), pois todos fomos criados para aquilo que o Evangelho nos propõe: a amizade com Jesus e o amor fraterno” (n. 265).

As tentações são muitas. Os ladrões à espreita são numerosos quando se tem de enfrentar tarefas que não nos dão a satisfação desejada, quando as mudanças esperadas são lentas. Aí o que pode suceder? “O Evangelho, que é a mensagem mais bela que há neste mundo, fica sepultado sob muitas desculpas” (Evangelii Gaudium n. 277).

 Como pode, Senhor, alguém nos roubar o Evangelho? O Evangelho não és tu? O Evangelho não é a tua Boa Nova? Santa Teresinha do Menino Jesus é exemplo para mim, para nós no sentido de buscar com toda profundidade as riquezas inesgotáveis do Evangelho, pois ela declara: “é acima de tudo o Evangelho que me ocupa durante as minhas orações; nele encontro tudo o que é necessário para a minha pobre alma. Descubro nele sempre novas luzes, sentidos escondidos e misteriosos” (in Catecismo da Igreja Católica n. 127). O Evangelho é vida. Vida sempre. Vida tua, Senhor, que venceste o mundo. Que o Evangelho não nos falte jamais e que sejamos capazes de sustentar a nossa fidelidade a ele. Amém.   

 

Clemente Raphael Mahl
rafaeli@uol.com.br
Conselho Nacional do Laicato do Brasil – Região Episcopal Sant´Ana – SP

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *